TEATRO NO KORU

O teatro, em todas as suas inúmeras potencialidades, permite uma aproximação genuína e infinitamente enriquecedora de algo que muitas vezes não damos atenção nos dias de hoje: o contato com nós mesmos e com o outro.

Sua matéria-prima básica: o ser humano e seu corpo.

Seu maior desafio: permitir-se estar aberto (a) a essa experiência única de exposição e descobertas que o teatro, de maneira muito singular em relação a qualquer outra arte, propicia.

E é com esse desafio que, a partir de maio, os idosos do Koru Centro-Dia assumiram uma nova jornada. As oficinas de Teatro, ministradas às quartas-feiras a tarde, partiram da exploração da história do teatro no Brasil e no mundo e aos poucos foram ganhando espaço e aguçando o interesse e a memória dos idosos.

Com eles, o teatro assumiu uma vertente mais terapêutica, permitindo-os ter, inicialmente, um contato leve e descontraído com formas de representação teatral de que nunca haviam ouvido falar, bem como resgatar memórias e lembranças por meio de cenas de filmes, artistas e músicas antigos.

Recentemente, entrou em cena o trabalho das Máscaras com todo o seu colorido e particularidades históricas e regionais.

Com as oficinas, os idosos puderam conhecer vários tipos de máscaras do mundo todo e entender o papel da máscara – seja ela expressiva ou não – no fazer teatral. Simultaneamente, cada idoso teve a oportunidade de confeccionar sua própria máscara artesanalmente. O trabalho rendeu lindos frutos e, com as máscaras já prontas, veio a possibilidade de montar as primeiras cenas tendo os idosos como atores e atrizes.

 

Para isso, foram ministradas novas oficinas para que os idosos compreendessem um pouco sobre os conceitos de cena, personagem e sobre as particularidades técnicas da interpretação utilizando a máscara.

Os personagens e a cena foram concebidos pelos próprios idosos quase que na totalidade e, após alguns ensaios, eles já estavam participando de uma cena completa: uma trágica cena de envenenamento em um baile de carnaval. O empenho dos idosos foi grande e as sensações de satisfação e diversão ao realizar e, principalmente, em ver a cena na televisão foram especiais e reveladoras para muitos deles; cada um pode, dentro de suas limitações, sentir-se no centro do nosso palco e receber os merecidos aplausos do público.

 

 

RODRIGO ODONE

Ator e Professor de Teatro

Formação em Teatro pela Oficina de Atores Nilton Travesso
Experiência de mais de 13 anos trabalhando com espetáculos teatrais e filmes como ator, diretor e produtor cultural
Ministra palestras sobre comunicação, oralidade e consciência corporal
Método próprio envolvendo Jogos Teatrais e Contação de Histórias, desenvolvido para idosos de Centros-Dia